Notícias

12
Jan/19

Barreiras: Famlia em situao precria faz apelo por telhas e alimentos








A equipe de reportagem do Blog do Sigi Vilares visitou na tarde de hoje, terça-feira (08), uma moradora do bairro Vila Amorim, identificada como sendo Regina dos Santos Almeida 28 anos que escreveu algumas cartas pedindo ajuda e espalhou nas portas de algumas residências para sensibilizar a todos com relação a sua situação. Uma destas cartas foi enviada até a redação.

No local, dona Regina e seu esposo vivem com seus quatros filhos de 05, 07, 09 e 12 anos e fazem um apelo para que possam morar com mais dignidade. A casa o calor é intenso e quando chove corre risco da água invadir o barraco improvisado com dois colchões e alguns objetos e louças.

Dona Regina faz um apelo para quem possa fazer uma doação com telhas que possa cobrir o barraco que está feito com lonas ao redor de um matagal, a poucos metros da entrada do Centro de Tradições Gaúchas (CTG), entre o Distrito Industrial e o Rio Grande, em Barreiras.





O repórter Jadiel Luiz esteve no local e ouviu a história da família, onde o marido de Regina, o senhor Maurício dos Santos Moreira 33 anos, falou sobre sua situação: “Estou desempregado já tem um tempo, tenho procurado trabalho, espalhado currículos. Sou gesseiro, mas faço outros serviços gerais e a família está passando por dificuldades financeiras. Por conta disso, faço uns ‘bicos’ apenas, porém nem sempre consigo serviço para poder manter a família e precisamos que nos ajude, já que no barraco que é coberto totalmente por lonas, está muito calor, já há alguns furos e com as telhas, podemos cobrir melhor nosso barraco”, contou.





O casal revelou que já vivem a seis meses no barraco de lona, pois tiveram que sair do Residencial São Francisco, onde moravam de aluguel, quando o companheiro de dona Regina perdeu o emprego. Os poucos serviços que Maurício fazia esporadicamente não dava para pagar aluguel e a família foi obrigada a morar no barraco, que não tem energia elétrica. Para ter água é preciso andar por aproximadamente um quiômetro até o Rio Grande com baldes para pegar água para fazer comida, lavar pratos e as roupas.

A família que não possui celular está precisando de ajuda. Quem puder ajudar com cestas básicas, produtos de higiene e limpeza e doar as telhas que possa levar no barraco que fica entrando pelo Distrito Industrial, saída pra Riachão das Neves, passando em frente ao CTG e a poucos metros, na beira do mato, verá o único barraco de lona no local. Vamos participar dessa corrente de solidariedade e ajudar essa família que tanto precisa de você.

Fonte:Informe Publicitrio
()
  Curta nossa pagína
  Publicidades