Notícias

12
Jul/18

Professores da rede municipal realizam protesto em frente da prefeitura de LEM


















Professores da rede municipal de ensino foram na manhã desta quinta-feira (12), por volta das 8h, para frente da prefeitura de Luís Eduardo Magalhães após divulgação da paralisação após assembleia-geral ordinária realizada na última terça-feira (10).

O Sindicato dos Professores de Luís Eduardo Magalhaes (SINPROLEM) continua cobrando da gestão 14 pautas, entre elas: reajuste salarial de 7%, não liberação das licenças prêmios, cumprimento da lei do piso (carga horária), pagamento correto das férias e 13° salário, pagamentos das mudanças de nível, efetivação da gestão democrática entre outras reivindicações.

Durante a manifestação a categoria afirmou que o secretário estaria mentindo durante entrevista coletiva aos repórteres e que tudo está provado em mãos o que os professores vêm passando.

Durante entrevista coletiva realizada na manhã de ontem, quarta-feira (11), o Secretário de Educação de Luís Eduardo Magalhães falou sobre a paralisação dos professores e explicou que não há motivos legais para o movimento, que muitas reivindicações apresentadas pelo sindicato da categoria não têm fundamento jurídico e outras dependem de um estudo de impacto financeiro no orçamento do município.

“A atual gestão se baseia na legislação vigente e nenhum profissional da educação de Luís Eduardo Magalhães deixará de receber o que é de direito”, afirmou o titular da pasta.

Leandro dos Santos disse ainda que foi surpreendido pela iniciativa do SINPROLEM e respondeu as pautas da categoria. Sobre o piso salarial dos professores, Leandro dos Santos enfatizou que o reajuste de 7% concedido pelo governo municipal, retroativo ao mês de janeiro é superior à reposição estabelecida pelo Ministério da Educação que foi de 6,81% e que o salário base dos professores de Luís Eduardo Magalhães com carga semanal de 20 horas, que é de R$ 2.499,52, ultrapassa o piso nacional estabelecido em R$ 2,455,35

Ao final os professores circularam pelas principais ruas da cidade até o gabinete da secretaria de educação localizada na Rua José Cardoso de Lima onde o secretário estava dando entrevista. Nesta tarde ou professores prometeram voltar as ruas em protesto.

Fonte: Reportagem de Weslei SantosBlog do Sigivilares
()
  Curta nossa pagína
  Publicidades