Blog do Sigi Vilares - 7 Anos


 
 

Notícias

12
Ago/17

Vereador Zé Ilton abraça a causa do Escola Sem Partido em São Desidério

Maxmilian é empresário, consultor em segurança do trabalho e comerciante.
O Movimento Brasil Livre (MBL), que ficou conhecido por organizar as maiores manifestações da história do país, em 2015 e 2016, pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, vai realizar atos de apoio ao projeto de lei denominado de Escola Sem Partido (ESP).

Em todo Brasil, cerca de 100 cidades realizarão manifestações no dia 15 de agosto. A ideia é que os grupos caminhem até as câmaras de vereadores e entreguem o projeto de lei para que vereadores possam protocolar a iniciativa.

De acordo com o coordenador do MBL-RODA VELHA BAHIA, a aprovação do projeto será um importante passo contra a doutrinação ideológica nas escolas. “Programa Escola sem Partido tem como objetivo principal informar e conscientizar os estudantes, para que eles mesmos possam exercer a defesa desses direitos, já que dentro das salas de aula ninguém mais poderá fazer isso por eles, informando o estudante sobre o direito que ele
tem de não ser doutrinado e manipulado por seus
professores. Uma vez informado, o estudante, que é
a vítima da doutrinação, saberá se defender das
condutas abusivas praticadas por seus professores
militantes”, disse o ativista.

“Recentemente tivemos o caso de um colégio militar que gravou um vídeo de apoio ao Bolsonaro. Assim como temos exemplos de panfletagens com apologia ao Lula por professores mais alinhados à esquerda. O projeto é sério e visa coibir práticas de quaisquer ideologias”, completou MAXMILIAN

MAXMILIAN, afirma que já teve várias conversas com vereador mais bem votado no município de São Desidério o Sr. ZÉ ILTON, sobre o tema e o mesmo têm se mostrado receptivos ao projeto e se comprometeu protocolar na Câmara dos vereadores no dia próximo 16/08/2017 devido sua agenda está comprometida para o dia 15//08/2017.

O projeto de lei foi idealizado pelo advogado de Brasília, Miguel Nagib, que já viajou por todo o Brasil para divulgar a proposta. A iniciativa prevê a fixação de cartazes em salas de aula com os deveres do professor.

Esses deveres já existem, pois decorrem da Constituição Federal e da Convenção Americana sobre Direitos Humanos. Isto significa que os professores já são obrigados a respeitá-los ‒ embora muitos não o façam, sob pena de ofender:

1. A liberdade de consciência e de crença e a liberdade de aprender dos alunos (art. 5º, VI e VIII; e art. 206, II, da CF);

2. O princípio constitucional da neutralidade política, ideológica e religiosa do Estado (arts. 1º, V; 5º, caput; 14, caput; 17, caput; 19, 34, VII, ‘a’, e 37, caput, da CF);

3. O pluralismo de ideias (art. 206, III, da CF); e

4. O direito dos pais dos alunos sobre a educação religiosa e moral dos seus filhos (Convenção Americana sobre Direitos Humanos, art. 12, IV).

Portanto, o único objetivo do Programa Escola sem Partido é informar e conscientizar os estudantes sobre os direitos que correspondem àqueles deveres, a fim de que eles mesmos possam exercer a defesa desses direitos, já que dentro das salas de aula ninguém mais poderá fazer isso por eles.

Fonte: Assessoria de comunicação
()
  Curta nossa pagína
  Publicidades